A Goan: Dr.Froilano de Melo

Froilano de Mello was born on May 17th 1887 in Benaulim, the eldest son of lawyer Constancio Francisco de Mello, and Delfina Rodrigues, daughter of Dr. Raimundo Venancio Rodrigues, a Goan mayor of Coimbra, member of the Cortes in Portugal, and one of the first directors of Goa Medical School – the Escola Medico-Cirurgica de Goa.

Tragedy struck the life of Froilano early. An orphan at the age of 12 years but single minded and determined, young Froilano worked while he studied. There was some funding available from the family properties which were not competently managed by the caretaker. Consequently, it was quite an austere and difficult childhood for Froilano. But despite all the difficulties, he graduated in Panjim as a medical doctor, completed his doctorate in medicine in Oporto, and was appointed a professor at the Escola Medico-Cirurgica de Goa in 1910, at the age of 23.

He was also appointed an assistant professor at The Sorbonne, Paris (1913-14), a visiting Professor at Oporto , Portugal in 1921 and served as the director of the Bacteriological Institute in Panjim, Goa, from 1914 – 1945. He undertook a postgraduate course in Parasitology in Kaiser Willhelm Institute fuer Biologie, Berlin, and at the Max Planck Institut, Potsdam, Germany (1922-23). His published works in the fields of medicine and science have been published in the Archives of Goa Medical School (1941) and appear in scientific reviews in Paris, Lisbon, Oporto, Bangalore, Bombay, Calcutta, Madras, Patna, Madrid, Berlin, Budapest, Orense, Montreux, Jujuy ,Cairo, Luanda, Johannesburg, Rome, Turin, Bucharest, Sao Paulo, Rio de Janeiro, Brussels, The Hague, and Shanghai. (3)

His contributions to Public Health in Goa : He established the TB Sanitarium in Margao in 1928 and founded the 1st Leprosarium in Asia in Macazana, Goa, in 1934. Dr. Froilano is well known for efforts to help eradicate malaria in Goa. In 1926, with the help of one of his pupils, Dr. Luis Bras de Sa, he carefully mapped the site of Old Goa and found more than 4800 wells in the old city, which were breeding grounds of anopheles mosquitoes. This important information led to the closure of these wells. This, in turn, led to the reduction of the mosquito breeding sites, and played a significant role in the control of the raging malaria problem in Goa in the 1920s.

Dr. Froilano was the founder of following medical journals in Goa:
Boletim Geral de Medicina, Arquivos Indo-Portugueses de Medicina e Historia Natural, and Arquivos da Escola Medico-Cirurgica de Nova Goa.

He represented Portugal at thirty seven international medical congresses, including the All India Sanitary Conference in Lucknow (1914) and the Third Entomological Meeting in Lucknow (1914) where, at the invitation of the Viceroy of India, he lectured on Medical Micology. Among other international conferences he attended were the ones held at: Lahore(1918) Coimbra (1925), Calcutta (1927), Cairo (1928), Allahabad (1930), Algiers (1930), Padua (1930),Oporto ( 1931 ), Jujuy ( 1931), Bangalore ( 1932 ), Bucharest ( 1932 ), Lisbon ( 1935 ), Amsterdam (1935 & 1938), Orense (1935) , Budapest (1935), Lausanne (1935), Paris (1937), Lourenco Marques (1938), Johannesburg (1938), Havana (1949) and Petropolis ( 1950 ).

He was a member of the Royal Asiatic Society of Bengal; the Indian Academy of Sciences; Societie de Pathologie Exotique – Paris; Sociedade de Ciencias Medicas (Lisbon); Sociedade de Etnologia & Antropologia; Sociedade de Geografia (Lisbon) and Societie de Biologie de Paris.
In 1926, he was elected as a Member of Parliament to represent Portuguese India in Lisbon. Unfortunately, that year also saw the Carmona-Salazar coup d’etat. The elections were nullified and not held again for the next 19 years.

Dr. Froilano was the Director of the Escola Medico-Cirurgica de Goa from 1927-1947, and Chief of Public Health for Portuguese India for the same period. He was a Colonel in the Portuguese Army Medical Corps, at age 35, achieving the highest rank in the medical military hierarchy of that time.

He authored “A la Veille du Centenaire” (1941), a book listing all the achievements of the first hundred years of the Goa Medical School and “O Cantico da Vida na Poesia Tagoreana” (1946) – “The song of life in the poetry of Tagore” .

As mayor of Panjim (1938-45), Dr. Froilano de Mello cleansed the city’s stables of mismanagement and fiscal deficits and is credited with the urbanization of the city of Panjim. He organized the ballustrade on the river Mandovi, from the centre of town up to Campal, lining the riverside avenue, and planted trees in many of the streets of Panjim, with seeds of tropical trees from Cuba (sent by his colleague Prof. Hoffmann in Havana). These jacaranda and acacia trees , whose seedlings were planted in 1940, have now yielded the big 56 year old trees, giving shade to the streets which were originally lined only with coconut and ficus trees.

During the Second World War anti-rabies vaccine was scarce in Goa but rabies was prevalent along with the widespread problem of stray dogs. Dr. Froilano ordered the elimination of all stray dogs, offering a reward per stray dog. This resulted in a dramatic reduction in the number of cases of rabies . A similar reward was offered for the capture or destruction of poisonous snakes. The number of snake bites which needed treatment was also reduced..

In 1945 Froilano was elected once again as a Member of Parliament to represent Goa in Lisbon. Using his superb oratoric skills he worked assiduously to eliminate the discriminatory Acto Colonial of 1930, which made Goans, second class citizens in Goa. In 1950, after a sustained struggle and against many odds and doubters and opposition, even in Goa, he succeeded in obtaining a new Political Statute for Goa. He was the only independent M.P. for the period 1945-49; all the others being members of Salazar’s UNIAO NACIONAL party.

The dictatorial Dr. Antonio Salazar did not take this independent-minded Goan too kindly. The Portuguese government had ” a knife at Dr. Froilano’s bosom ” ever since he began his fight for the rights of Goans. The repeal of the discriminatory Acto Colonial was welcomed by many Goans. But, Froilano, was now fighting for an independent ‘Goa, Damao e Diu’ , within the framework of a Commonwealth with Portugal; an idea akin to the status of the British Commonwealth. This publicly proclaimed dream of an INDEPENDENT GOA, however, did not fit-in too well with the Salazar government in Lisbon which was totally opposed to any talk of independence for Goa, a prized historical possession, that was ‘part and parcel of Portugal for centuries’.

In 1950, Dr. Froilano, was, for the first time in his tenure, not nominated as delegate of Portugal to attend the medical congress in Quitandinha, Petropolis, Brazil. But he did go to Brazil, nevertheless – but at the invitation of President Dutra of Brazil and his minister of education, Pedro Calmon. Dr. Froilano was accorded a very warm welcome in Brazil, quite a contrast to the ostracization he faced in Goa.

As a consequence, the disappointed but unbroken Dr. Froilano emigrated in 1951 to Brazil where three of his children lived. He had also been there the previous year to attend an international medical conference, at the invitation of the Brazilian Government. He settled in Sao Paolo where he continued his scientific activities and studies of parasites, and in the process identified various new species of parasites. His works were published posthumously by the Instituto Ezequiel Dias of Belo Horizonte, Brazil. After a painful struggle with lung cancer, Froilano passed away on January 9, 1955 in Brazil, far away from the land he loved so much and fought so valiantly for – GOA.

Dr. Froilano de Mello received medals of honour from Queen Wilhelmina of the Netherlands ( 1938 ), from Pope Pius XII ( 1947 ) on the occasion of the canonization of St. John de Brito, from President Grau de San Martin of Cuba (1949 ) and from President Dutra of Brazil in 1950. He also held the following Portuguese honours: Grande Official da Ordem de Aviz, Comendador da Ordem de Sao Tiago and Comendador da Ordem de Benemerencia. Sao Paulo, Brazil, has a street named Froilano de Mello, while The Sao Paulo Medical College has named one of its halls in Froilano’s honour .

Froilano was married twice. His first marriage was to Marie Eugenie Caillat, an aristocratic young lady from Geneva, whom he had met in Paris in 1910. They returned soon thereafter to Goa and built a magnificent chalet up on the hilltop of Altinho, Panjim. Eugenie was the first person to translate the works of the poet Rabindranath Tagore into French. In December 1921, returning to Oporto from a visit to her parents in Geneva, she contracted the dreaded Spanish flu and tragically passed away. This was devastating for Froilano who was at the time, a visiting professor at Oporto. Eugenie and Froilano did not have any children.

On September 15, 1923, Froilano married Hedwig Bachmann, a young Swiss school teacher from Diessenhofen. (4) They had 6 children: 3 boys and 3 girls. The de Mellos returned to the chalet up on Altinho and had a zestful and close family life at the Villa do Monte. The determination and guidance provided by Hedwig and Froilano is manifest in the achievements of the children. As if Froilanos’s achievements are not enough, those of the children give added significance to the well known and age-old adage ” if you want to know about the parents, look at the children “.

Alfredo Froilano, chemical engineer, entrepreneur and writer lives with his family in Montevideo, Uruguay. Maria Eugenia teaches English language and literature at the American High School in Sao Paulo, Brazil where she lives with her family. Victor Froilano, one of the world’s most renowned civil engineers and his family live in Brazil, when he is not trotting the globe problem-solving. Francisco Paulo, electronic engineer and entrepreneur, is based in Burnt Hills, New York where he and his family reside. He still travels the lecture circuit. Maria Cristina is a physician who now lives in Kauai, Hawaii, where she had moved with her family and has since retired. Maria Margarida , a nurse, lives with her family in Faro, Algarve, Portugal, where she is presently the Chief Nurse and Health Administrator for the province.

Goa has been struggling with its part in honouring this great patriot and son of the soil. After distancing themselves from the very son who had done so much for them and their self-respect, Goans and Goa are attempting to correct, even though belatedly, the unfortunate injustice to Froilano. In February 1987, a solemn ceremony was held at the Institute Menezes Braganca in Panjim to honour Froilano, in the year of the centenary of his birth. On the occasion of his 100th birth anniversary on May 17, 1987, several of Froilano’s former students from Escola Medica de Goa gathered to celebrate the occasion. The then Minister of State for Foreign Affairs, Mr. Eduardo Faleiro, placed a plaque in Froilano’s honour at his place of birth, in the ancestral home in Benaulim. One of the roads from Benaulim to Margao as well as the street passing in front of the Lar de Estudantes, Panjim ( the site of the former home of Dr. Froilano ) were named after him. A. Froilano de Mello Scholarship for the most deserving medical student at the Goa Medical College has also been established. It took time and the efforts of stalwart Goans like Dr. Joao Pacheco de Figueiredo, the former Dean of the Escola Medico-Cirurgica de Goa to begin this process of restitution. Sadly however, Portugal, the country, Froilano represented at so many international scientific meetings, has yet to recognize the contributions of this intellectual giant.

The posting of this biography is one additional attempt to ‘give Froilano his due’. It is also a part of an overall effort to record the magnificent careers and deeds of the great and as yet unsung, sons of Goa’s soil. For our sake, for the sake of our children and for the sake of record itself.

Etiquetas: , ,

2 Respostas to “A Goan: Dr.Froilano de Melo”

  1. ABM Says:

    Absolutamente fascinante, obrigado. Pena não haver este texto em língua portuguesa.

  2. icsouza Says:

    Froilano de Melo nasceu em 17 maio 1887 em Benaulim, era filho mais velho do advogado Constâncio Francisco de Mello, e Delfina Rodrigues, filha do Dr. Raimundo Venâncio Rodrigues, prefeito de Goa de Coimbra, membro das Cortes de Portugal, e um dos primeiros directores da Escola Médica de Goa – a Escola Médico-Cirúrgica de Goa.

    A tragédia atingiu a vida de Froilano cedo. Froilano tornou-se órfão na idade de 12 anos, mas foi jovem com um único pensamento e determinaçao, e trabalhou enquanto estudava. Houve algum financiamento disponível a partir das propriedades da família, que não foram competentemente geridas pelo mentor. Por isso, foi uma infância bastante austera e difícil para Froilano. Mas apesar de todas as dificuldades, ele se formou em Panjim como um médico, completou seu doutorado em medicina no Porto, e foi nomeado professor da Escola Médico-Cirúrgica de Goa, em 1910, na idade de 23.

    Ele também foi nomeado professor assistente na Sorbonne, Paris (1913-1914), professor visitante na cidade do Porto, Portugal, em 1921 e serviu como o director do Instituto Bacteriológico em Panjim, Goa, 1914-1945. Ele tirou um curso de pós-graduação em Parasitologia no Instituto Kaiser Wilhelm fuer Biologie, em Berlim, e no Max Planck Institut, em Potsdam, Alemanha (1922-1923). Seus trabalhos nas áreas de medicina e ciência foram publicados na revista Archives of Goa Medical School (1941) e apareceram em revistas científicas, em Paris, Lisboa, Porto, Bangalore, Bombaim, Calcutá, Madras, Patna, Madrid, Berlim, Budapeste , Orense, Montreux, Jujuy, Cairo, Luanda, Joanesburgo, Roma, Turim, Bucareste, São Paulo, Rio de Janeiro, em Bruxelas, Haia, e Xangai.

    Suas contribuições para a Saúde Pública, em Goa: Ele estabeleceu o Sanatório de Tuberculose em Margão, em 1928 e fundou o Leprosário primeiro na Ásia, em Macasana, Goa, em 1934. Dr. Froilano é bem conhecido por esforços para ajudar a eradicar a malária em Goa. Em 1926, com a ajuda de um de seus alunos, o Dr. Luis Bras de Sá, ele cuidadosamente mapeou o sitio da Velha Goa e encontrou mais de 4.800 poços na cidade velha, que eram criadouros de mosquitos Anopheles. Esta importante informação levou ao encerramento destes poços. Este, por sua vez, levou à redução dos criadouros do mosquito, e desempenhou um papel significativo no controle do problema da malária que grassa na cidade de Goa em 1920.

    Dr. Froilano foi o fundador das seguintes revistas médicas em Goa:
    Boletim Geral de Medicina, os Arquivos indo-portugueses de História e Medicina Natural, e Arquivos da Escola Médico-Cirúrgica de Nova Goa.

    Representou Portugal em trinta e sete congressos médicos internacionais, incluindo o All India Health Conference em Lucknow (1914) e a Terceira Reunião Entomológica em Lucknow (1914) onde, a convite do vice-rei da Índia, leccionou em Micologia Médica. Entre as outras conferências internacionais em que participou foram as realizadas em: Lahore (1918), Coimbra (1925), Calcutá (1927), Cairo (1928), Allahabad (1930), Argel (1930), Pádua (1930), Porto (1931) , Jujuy (1931) Bangalore, (1932), Bucareste (1932), Lisboa (1935), Amesterdão (1935 e 1938), Ourense (1935), Budapeste (1935), Lausanne (1935), Paris (1937), Lourenço Marques (1938), Joanesburgo (1938), Havana (1949) e Petrópolis (1950).

    Ele era um membro da Sociedade Real Asiática de Bengala, a Academia Indiana de Ciências; Societé de Pathologie Exotique – Paris, Sociedade de Ciências Médicas (Lisboa); Sociedade de Etnologia e Antropologia, Sociedade de Geografia (Lisboa) e Societé de Biologie de Paris.
    Em 1926, foi eleito como membro do Parlamento para representar o Estado Português da Índia em Lisboa. Infelizmente, esse ano também viu o golpe de Estado de Carmona e Salazar. As eleições foram anuladas e não realizadas novamente durante os próximos 19 anos.

    Dr. Froilano foi o director da Escola Médico-Cirúrgica de Goa a partir de 1927-1947, e Director de Saúde Pública de Português da Índia no mesmo período. Ele era um coronel do Medical Corps do Exército Português, aos 35 anos, alcançando o mais alto posto na hierarquia médica militar da época.

    Ele foi autor de “A la Veille du Centenaire” (1941), um livro listando todas as conquistas dos primeiros cem anos da Escola Médica de Goa e “O Cântico da Vida e Poesia Tagoreana” (1946) – “A canção da vida na poesia de Tagore “.

    Como prefeito de Panjim (1938-1945), Dr. Froilano de Mello limpou estábulos da cidade de má gestão e os déficits fiscais e é creditado com a urbanização da cidade de Panjim. Ele organizou a balustrade sobre o rio Mandovi, a partir do centro da cidade até Campal, forro da avenida beira-rio, e plantou árvores em várias ruas de Panjim, com sementes de árvores tropicais de Cuba (enviadas por seu colega Prof. Hoffmann em Havana). Esses jacarandás e acácias, cujas mudas foram plantadas em 1940, já renderam grandes árvores de 56 anos de idade, proporcionando sombra para as ruas que foram revestidas originalmente apenas com coqueiros e figueiras.

    Durante a Segunda Guerra Mundial vacina anti-rábica foi escassa em Goa, mas a raiva foi prevalente junto com o problema generalizado de cães vadios. Dr. Froilano ordenou a eliminação de todos os cães de rua, oferecendo uma recompensa por cão vadio. Isto resultou em uma redução drástica no número de casos de raiva. Uma recompensa semelhante foi oferecida para a captura ou destruição de cobras venenosas. O número de picadas de cobra, que precisavam de tratamento também foi reduzido ..

    Em 1945 Froilano foi novamente eleito como membro do Parlamento para representar Goa, em Lisboa. Usando seus excelentes habilidades oratorias, ele trabalhou assiduamente para eliminar a discriminação no Acto Colonial de 1930, o que fez Goeses cidadãos de segunda classe em Goa. Em 1950, depois de uma luta sustentada contra todas as probabilidades, duvidadas e oposição, até mesmo em Goa, ele conseguiu obter um novo Estatuto Político para Goa. Ele foi o único preditor independente M.P. para o período 1945-1949, todos os demais são membros do partido União Nacional de Salazar.

    O dictatorial Dr. Antonio Salazar não aproveitou deste goês de mentalidade independente muito gentilmente. O Governo Português “tinha uma faca no peito do Dr. Froilano” desde que ele começou sua luta pelos direitos dos goeses. A revogação do Acto Colonial discriminatório foi saudada por muitos Goeses. Mas, Froilano estava agora lutando por uma independência de Goa, Damão e Diu, no âmbito de uma comunidade com Portugal, uma idéia semelhante à do estado da Comunidade Britânica. Este sonho proclamou publicamente uma GOA independente, no entanto, não se encaixava muito bem com o governo de Salazar em Lisboa, que foi totalmente contra qualquer conversa de independência para Goa, uma possessão histórica, que era “parte integrante de Portugal, para séculos”.

    Em 1950, o Dr. Froilano, pela primeira vez no seu mandato, não foi nomeado como delegado de Portugal para assistir ao congresso médico em Quitandinha, Petrópolis, Brasil. Mas ele o fez ir para o Brasil, no entanto – mas, a convite do Presidente do Brasil, Dutra, e seu ministro da educação, Pedro Calmon. Dr. Froilano teve uma recepção calorosa no Brasil, um contraste com o ostracismo que enfrentou em Goa.

    Como conseqüência, a desilusão, mas ininterrupta, Dr. Froilano emigrou em 1951 para o Brasil, onde três dos seus filhos viveram. Ele também esteve lá no ano anterior para assistir a uma conferência médica internacional, a convite do Governo brasileiro. Ele se estabeleceu em São Paulo, onde continuou as suas actividades científicas e estudos de parasitas, e no processo identificou várias novas espécies de parasitas. Suas obras foram publicadas postumamente pelo Instituto Ezequiel Dias em Belo Horizonte, Brasil. Depois de uma dolorosa luta com cancro de pulmão, Froilano faleceu em 9 de janeiro de 1955 no Brasil, longe da terra que ele tanto amou e lpor qual ele tão bravamente lutou-GOA.

    Dr. Froilano de Melo recebeu medalhas de honra da rainha Guilhermina dos Países Baixos (1938), do Papa Pio XII (1947), por ocasião da canonização de S. João de Brito, do presidente Grau de San Martin de Cuba (1949) e do Presidente Dutra do Brasil em 1950. Teve também as honras seguintes do Governo Português: Grande Oficial da Ordem de Avis, Comendador da Ordem de São Tiago e Comendador da Ordem de Benemerencia. São Paulo, Brasil, tem uma rua chamada Froilano de Melo, enquanto o Colégio Médico de São Paulo nomeou um dos seus salões, em honra de Froilano.

    Froilano casou-se duas vezes. Seu primeiro casamento foi com Maria Eugênia Caillat, uma dama aristocrática joven a partir de Genebra, a quem ele conheceu em Paris em 1910. Eles voltaram logo depois para Goa e construiram uma magnífica moradia em cima da colina de Altinho, Panjim. Eugenie foi a primeira pessoa a traduzir a obra do poeta Rabindranath Tagore em francês. Em dezembro de 1921, retornando para Porto a partir de uma visita a seus pais, em Genebra, ela contraiu a temida gripe espanhola e faleceu tragicamente Isto foi devastador para Froilano que era na época professor visitante na cidade do Porto. Eugenie e Froilano não tem filhos.

    Em 15 de setembro de 1923, Froilano casou-se com Hedwig Bachmann, uma professora da escola suíça de jovens de Diessenhofen. Eles tiveram seis filhos: três meninos e três meninas. Os Melos voltaram ao Altinho para a sua moradia em cima e tiveram uma vida familiar agradavel a fechar-se em Vila do Monte. A determinação e a orientação dada por Hedwig e Froilano é manifesta nas realizações das crianças. Como se as realizações dos Froilanos não fossem suficientes, as das crianças dão novo significado para o bem conhecido e antigo ditado “se tu queres saber sobre os pais, olhe para as crianças”.

    Alfredo Froilano, engenheiro químico, empresário e escritor vive com sua família em Montevidéu, Uruguai. Maria Eugenia ensina Inglês e Literatura na High School Americana em São Paulo, Brasil, onde vive com sua família. Victor Froilano, um dos mais renomados engenheiros civis do mundo e sua família vivem no Brasil, quando ele não está viajam pelo mundo para resolver problemas. Francisco Paulo, engenheiro eletrônico e empresário, é baseado em Burnt Hills, Nova York, onde ele e sua família residem. Ele ainda percorre o circuito de palestras. Maria Cristina é uma médica que vive agora em Kauai, Havaí, onde ela se mudou com sua família e desde então se aposentou. Maria Margarida, uma enfermeira, mora com sua família em Faro, Algarve, Portugal, onde é actualmente a enfermeira-chefe e administradora de Saúde para a província.

    Goa tem sofrido com a sua parte para honrar esse grande patriota e filho da terra. Depois de se distanciar muito do filho que havia feito tanto por eles e sua auto-estima, Goeses e Goa estão tentando corrigir, embora tardiamente, a injustiça lamentável a Froilano. Em fevereiro de 1987, uma cerimônia solene foi realizada no Instituto de Menezes Bragança em Panjim para honrar Froilano, no ano do centenário do seu nascimento. Por ocasião do seu 100.o aniversário de nascimento em 17 de maio de 1987, vários dos ex-alunos do Froilano pela Escola Médica de Goa reuniram-se para celebrar a ocasião. O então Ministro de Estado das Relações Exteriores, Sr. Eduardo Faleiro, colocou uma placa em homenagem a Froilano está em seu local de nascimento, na casa ancestral em Benaulim. Uma das estradas de Benaulim de Margão, bem como a rua que passa em frente ao Lar de Estudantes, Panjim (local da antiga casa do Dr. Froilano) foram nomeadas com seu nome. “Bolsa Froilano de Melo” para o aluno mais merecedor de medicina na Faculdade Médica de Goa também foi estabelecida. Levaram tempo os esforços dos Goeses robustos como o Dr. João Pacheco de Figueiredo, o ex-reitor da Escola Médico-Cirúrgica de Goa, para iniciar esse processo de restituição. Infelizmente, no entanto, em Portugal, o país, Froilano representada em tantos encontros científicos internacionais, ainda tem que reconhecer as contribuições desse gigante intelectual.

    O lançamento desta biografia é uma tentativa adicional para “dar Froilano sua recompensa”. É também uma parte de um esforço global para gravar a carreira magnífica e obras de grande e ainda desconhecidos filhos da terra de Goa. Para o nosso bem e para o bem dos nossos filhos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: